POR ONDE PASSAMOS

segunda-feira, 2 de maio de 2011

MIRAGE 650 - A COMPANHEIRA DA VIAGEM...


Tenho recebidos muitos emails e comentários no Blog questionando a respeito da moto MIRAGE 650 EFI.
Por ser um modelo recém lançado, acredito que esta seja a primeira MIRAGE 650 Efi a ir até USHUAIA, passando pelo Chile e por uma trecho da Carretera Austral.

Minha impressão e opnião.
Se me perguntarem se devem ou não compra-la???
Acho a questão muito pessoal. Gosto não se discute.
Agora, se me perguntarem se a moto é boa, eu respondo: Excelente...

CONFORTO - A moto se mostrou muito confortável em toda a viagem, comprometido um pouco na parte de rípio devido ao pouco curso dos amortecedores traseiros, mas nada que fosse um grande empecilho. Na parte de rípio eu deveria ter regulado os amortecedores para mais mole e acabei não fazendo por puro esquecimento. A moto tem uma posição muito confortável, inclusive o Carlos me questionava, pois eu mantinha sempre a mesma posição, mas a posição e que era muito confortável, inclusive pelo encosto que instalei na moto, e por poder manter as pernas sempre retas e bem apoiadas. O guidão também mantêm as mãos bem apoiadas, mas na prôxima viagem pretendo colocar um piloto automático para deixar mais livre a mão direita.

INJEÇÃO - No geral ela se comportou muito bem durante toda a viagem. Ascendeu por duas oportunidades por um período curto. A primeira quando estava subindo os Andes a mais ou menos 2.800 metros de altitude quando parei para fotos. Nessa altitude a moto ligava sem problemas, mas ao acelerar, ou ela morria ou acelerava forte. Mas era desligar o motor e ligar novamente que ela já tava regulada para aquela altitude no momento. Se deixasse o motor ligado, isso não acontecia, mostrando claramente que a injeção tava fazendo os ajustes necessários. Durante a subida não senti nehuma alteração no ritmo do motor, pois ela mantinha a mesma agressividade na aceleração, nada de perder força ou engasgar. Outra oportunidade que ascendeu, foi quando mudei da gasolina Chilena para a Argentina, ao ligar o motor no posto, a injeção ascendeu também por um breve momento, mas depois voltou ao normal. Acho que também foi devido a altitude, pois tinha acabado de atravessar as cordilheiras e tava descendo de 1.800 metros para nível do mar. Não senti nenhum problema ou variação no funcionamento do motor.
Consumiu todos os tipos de gasolina sem problemas e sem engasgos. Tinha posto que não dava para escolher o tipo de gasolina, era pegar ou pegar... Inclusive uma preocupação da Kasisnki era o fato de a injeção estar regulada para a gasolina brasileira com 25 % de alcool e a moto poder apresentar super aquecimento, mas sinceramente não senti nenhuma diferença, até achei ela melhor com a gasolina sem alcool. Quando ao aquecimento, não houve nenhuma alteração..

MOTOR - O motor é um espetáculo, tem um excelente torque que tenta te arrancar do banco. Apesar de eu achar o motor barulhento quando esta em lenta, ele acaba ficando redondinho a partir dos 120 km/hora. Por ser um motor muito elástico, ele acaba deixando a moto muito fácil de pilotar. Dentro da cidade ando no corredor sem problemas. Na viagem pude manter 120 km/hora direto e sem problemas. Andei a 80 subindo os Andes e até a 190 km/hora quando precisei. Em momento algum senti a temperatura do motor alterar, somente quando pequei nevasca e que o marcador baixou uma marca na barra, ficando visível duas barras na temperatura.

CONSUMO - Por ser uma moto de 650 cc, com 80 cv e dois pistões, achei ela bem econômica. Fez na maioria do percurso entre 21 e 22 km/litro. Quando precisei que ela fosse economica, 320 km sem posto, andando a 80/90 por hora ela fez 25,5 km/litro. Em compensação, no retorno de Ushuaia, atravessando o deserto patagônico, andando a 160 km/hora ela fez 15 km/litro.

ESTABILIDADE - A moto cumpre o que promete, ou seja, speed custom. Ela entra muito bem nas curvas, e se você acelera, aí que ela gruda mais ainda, isso por conta do chassi reforçado, do garfo invertido e do pneu largo e de perfil baixo (180 - 55), entre outros itens que não quero entrar em detalhes, pois sou motociclista, não mecanico. Quando pegamos ventos laterais de 100 km/hora, senti que a MIRAGE, por ser mais baixa que a moto do Carlos (V Strom), cortava o vento melhor e recebia as rajadas com menos impacto. Apesar que em ventos nesssa velocidade, o melhor e parar e esperar, e foi isso que fizemos na cidade de Rios Gallegos.

MANUTENÇÃO - Fiz a revisão dos 3.000 kms antes de sair para a Viagem. Durante a viagem fiz duas trocas de óleo. Uma na cidade de Puerto Montt - Chile e outra na cudade de Ushuaia - Argentina. Durante toda a viagem não fiz nenhum ajuste na correia, mas isso foi um erro, apesar da correia não apresentar nenhum problema depois da viagem. Foi trocada a lâmpada, devido ter atropelado um pombo que bateu direto no farol. Troquei também um parafuso do alforge lateral que quebrou devido a trepidação. Quebraram também dois parafusos que seguram o suporte do escapamento, mas esses eu só notei quando cheguei em casa, mas nada que preocupasse, pois não notei nenhuma diferença. Quando voltei mandei fazer a revisãa, a moto estava com 16.500 kms e tinha perdido as revisões dos 6.000, 9.000 e 12.000 kms. Resultado, perdi a garantia da moto... Mas a moto não apresentava nenhum problema, foi mais uma revisão para deixar a moto novamente zerada. A moto tá com 19.000 kms e ainda não troquei o pneu traseiro...

ESTRADA DE RÍPIO - Andei com a moto por todos os tipos de rípio possíveis. Na maioria do percurso pude manter 70 km/hora sem problemas. Essa foi a velocidade que me deixou mais a vontade sobre a moto. Acho que o pneu largo atras mais ajudou do que atrapalhou. Na Carretera Austral, depois de PUYUHAUPI, passamos pelo Parque Nacional QUEULAT, numa espécie de Caracoles, onde o rípio estava muito ruim, a ponto de ter que parar nas curvas para ver o melhor caminho. Na Tierra Del Fuego, pegamos o desvio por Onaissim, e fizemos o trajeto de 130 km em menos de duas horas.

NO GERAL - A moto foi e voltou de Ushuaia sem apresentar qualquer problema. Tava levando em torno de 50 quilos de bagagem e mais 75 quilos do piloto.
Andei em várias velocidades e em todas elas pude mante-las sem problemas.
A moto subiu a 3.500 metros de altitude e desceu a menos 300 metros (isso mesmo - 300 metros abaixo do nível do mar - Patagonia). Atravessei os Andes 8 vezes. Andei na chuva, na neve, nevasca, chuva de pedras, deserto. Andei quase 1.000 kms em estradas de rípio, uma especie de estrada de chão, porém com pedras e pedriscos tipo brita. Pequei ventos com rajadas de mais de 100 km/hora. Pequei temperaturas que variavam entre - 10 graus ( 10 graus negativos) até 45 graus... Teve dias que fizemos 1.200 km sem parar... A moto não mudou em nada. Depois de Ushuaia, estive em Lages, e sem mais nem menos a moto ficou sem embreagem. Levei a concessionária e foi feito o ajuste num parafuso interno que havia ficado frouxo, esse parafuso faz a regulagem da abertura dos discos e tudo voltou ao normal.

NA MINHA OPNIÃO, FOI UM TESTE BEM DURO, ONDE A MIRAGE 650 EFI PASSOU SEM PROBLEMAS. Afinal ela é custom, e custom foi feita para viajar...

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

VÁRIOS VÍDEOS DA VIAGEM


PONTE SOBRE O RIO IBICUÍ - ANTES DE URUGUAIANA - FILMAGEM: CARLOS - DEZEMBRO/2010

TÚNEL QUE LIGA A CIDADE DE PARANÁ A SANTA FÉ - ARGENTINA - NOVEMBRO/2010 - FILMAGEM ANTONIO.


SUBINDO OS ANDES - PASO CRISTO REDENTOR - ARGENTINA/2010 - FILMAGEM ANTONIO.


ANDANDO NA PANAM 5 SENTIDO SUL - CHILE - DEZEMBRO/2010 - FILMAGEM CARLOS.



NEVE - PASO ANTONIO SAMORÉ - CHILE - DEZEMBRO/2010 - FILMAGEM CARLOS/ANTONIO.


SUBIDA AO VULCÃO OSORNO - SUL DO CHILE - DEZEMBRO/2010 - FILMAGEM ANTONIO/CARLOS.


CARRETERA AUSTRAL - RUTA 7 - CHILE - DEZEMBRO/2010 - FOTOS E FILMAGENS - ANTONIO E CARLOS.


RÍPIO TIERRA DEL FUEGO - ARGENTINA - DEZEMBRO/2010 - FILMAGEM CARLOS.

NEVE - MUITA NEVE - GLACIAL PERITO MORENO - EL CALAFATE - DEZEMBRO/2010 - FILMAGENS - ANTONIO E CARLOS.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

APANHADO GERAL....

A viagem foi maravilhosa.

Deu tudo muito certo.

O Tempo: Choveu pouco e exatamente onde deveria ter chovido, fez sol nas partes mais bonitas, não fez muito calor no deserto, em sua maioria o vento ajudou e fomos brindados por um espetáculo da natureza em seu auge (neve).

A Policia: O único lugar onde encontramos policia Carabineira (Chile) com radar, passamos ilesos, pois vinhamos dentro da velocidade permitida, mesmo sendo uma longa reta num domindo pela manhã na Panamericana. No Chile não fomos parados pela policia, mas tivemos sua ajuda em nos dar carona para o hotel. Na Argentina fomos parados em cinco locais diferentes, mostravamos a documentação e seguiamos direto, depois de uma entrevista, querendo saber de onde vinhamos e para onde estavamos indo.

As motos: Foram impecáveis, pequenos problemas resolvidos na propria viagem, sem maiores desabores. Lâmpadas queimadas, parafusos quebrados ou se soltando em acessórios, trocas de oleo e pneus desgastados fazem parte de longas viagens como essas.

A Comida. Dá uma saudade do Brasil quando se olha um cardápio na Argentina ou no Chile. Além da comida ser cara, vem tudo separado e cobrado individualmente. Não existe por aquelas bandas restaurantes que te servem a vontade. Por vezes fomos a supermercado ou Almacén comprar bolacha ou frios, pães e refrigerante para fazer a janta.

Os Hotéis: Não reservamos nenhum hotel. Só se preocupavamos com hotel quando decidiamos que era hora de parar e procurar onde dormir. Lá, como anoitece tarde, perto das 9, parávamos a viagem perto das sete para deixar sempre uma margem de segurança. Pegamos de hotéis bons, médios e ruins. No Chile, na maioria das vezes ficamos em Residencial com banheiro privado. São acomodações boas a preços mais inferiores. No Chile os Hotéis são caros, na faixa de 30 a 40 dolares por pessoa. Na Argentina o preço era de 20 a 30 dolares por pessoa. Alguns oferecem café da manhã (Desayuno), outros nem sabem o que é isso. Obs.: Só ficamos em hospedagem que tinham WI-FI, exigência do Carlos... E onde não tinha mesmo, corriamos para uma Lan-House...

Combustíveis: Na Argentina o preço do combustíveis variou desde 4,70 pesos (2,35 reais/litro) até 3.10 pesos ( 1,55 reais/litro). Quem tiver indo pela Ruta 3, a partir da cidade de Sierra Grande o combustível já é de 3,10 pesos/litro, ficando assim até Ushuaia.  Na Argentina usamos na maioria das vezes a Gasolina SuperXXX, uma gasolina de cor azul, mas considerada comum para eles. No Chile o combustível é mais caro, parecendo os preços no Brasil. Pagamos desde 670 pesos/litro ( 2,50 reais/litro) a 720 pesos/litro (2,75 reais/litro). No Chile usamos a gasolina 5000, uma gasolina de cor amarelada que é a gasolina comum.

Roteiro: Não nos fixamos em visitar cidades grandes, até porque aqui no Brasil tem cidades muitos maiores e mais bonitas. O Ponto central da viagem foi a Cordilheira dos Andes e as belezas que a natureza podia nos oferecer, tanto que a cruzamos oito vezes, andamos de moto por cima, no meio e por dentro dela (túneis). A seguimos por quase 6.000 kms, desde Mendoza até a cidade de Ushuaia e El Calafate.

O Rípio.: Apesar de estar com uma moto custom, pouco adequada a andar no rípio, não tive nenhum problema. os 130 kms da Terra del Fuego foram feitos em menos de 2 horas. Rípio liso em sua maioria e muito bem batido, as vezes apareciam umas costelas de vacas ou buracos, mas nada a preocupar. Na Carretera Austral também tem um rípio bem liso, bem batido e fácil de andar, só se cuide com as caminhonetes, elas passam feito foquetes. O único trajeto difícil foi entre as cidade de Puyuhaupi até Manihuales, na Carretera Austral, nun percurso de 60 kms. Neste percurso você passa por dentro de uma reserva natual e sobe uma cordilheira com estrada em caracol com muita, mas muita pedra solta, fazendo com que parasse nas curvas para ver qual o melhor caminho a passar. O Carlos não teve problemas também para passar no rípio, e só não andou mais rápido porque tinha o Antonio ditando o ritmo da viagem.

Asfalto: No Brasil, asfalto do jeito que a turma conhece. Mal cuidado. Na Argentina. Pegamos pequenos trechos em mau estado, porém com muitas obras de duplicação, principalmente na região de Paso de Los Libres até Mendonça. No geral o asfalto é muito bom, liso e sem buracos, até mesmo nas áreas de deserto. No Chile. Asfalto sempre muito bem cuidado. Na região de Concepciom, onde teve o terremoto em fevereiro e que encontramos desvios nos viadutos com obras de recuperação.

Aduanas: As da Argentina são fáceis e rápidas. As do Chile são mais demoradas e costumam revirar a bagagem atras de comidas ou frutas. Se tiver cão farejador, ótimo, senão, abre tudo e mostra o que tem lá dentro. A do Uruguai, super simples e sem demora.

Documentação: Levamos Passaporte, mais para ter os carimbos, pois não é necessário. Carteira de identidade com menos de 10 anos é válido, assim como a carteira de motorista. Autorização do veículo, somente se ele não estiver em seu nome. Se tiver em seu nome e financiado, não precisa de autorização.

Seguro Carta Verde: Fizemos na fronteira e pagamos R$ 25,00 por 30 dias ára cada moto. Alias, todos os caminhoneiros se utilizam da mesma seguradora para fazerem o seguro Carta Verde, portando, ele é válido e muito bem aceito.

É AGORA: Bem, agora é começar a fazer o prôximo roteiro. Em Ushuaia tem um ditado. AQUI EM USHUAIA SEMPRE MIRAMOS AO NORTE, numa alusão de que alí é o fim do mundo, e se quiser ir a algum lugar só pode ser ao norte. Portanto, agora vou mirar para o Norte, e conhecer as belezas das Cordilheiras dos Andes Peruanos, Bolivianos, Equatorianos e Venezuelanos. Aguardem....

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

GRANDE COMPANHEIRO....

Tenho feito minhas viagens solitariamente, porque tive disabores com outros motocilictas.
Quando recebi a mensagem pelo Orkut se colocando a disposição de me acompanhar nesta viagem, confesso que fiquei até um pouco apreensivo. Quando encontrei e conheci o Carlos em Lages, a primeira impressão foi muito boa. Pelo desenrolar da viagem e pelos dias se passando, notei que tinhamos muitas coisas em comum, sendo a maior delas o amor pela família, pela esposa, pelos filhos e pelo motociclismo.
Amigo CARLOS, muito obrigado por sua companhia e companherismo nesta nossa expedição.
Acho que nos dois aprendemos muito um com o outro, e acima de tudo, saber aceitar nossas diferenças.

Valeu amigo

De Antonio e familia...

RESPONDENDO AOS POSTS....

Joel Rhenius- bigode - O rípio é muito fácil de andar, ele se parece muito com asfalto anti-pó que usavam antigamente, porém tem que ter um pouco de habilidade para andar em estrada de chão. O Carlos andou com a V Strom dele até a 140 km/hora sem problemas e eu com a Mirage pude manter a maioria do tempo entre 70/80 kms por hora. Em Santa Rosa encontramos dois casais de Argentinos que passaram pelo rípio com V Strom e reclamaram que tiveram dificuldades em passar. Quando estava fazendo os últimos kms de rípio, passei a 80 km/hora por dois motociclistas em moto trail andando a uns 40 km por hora. Eles pararam a moto e ficaram olhando para mim, acho que me acharam louco. Andar a 40 no rípio e pior que andar a 70 pois a moto a 40 joga muito devido a pedriscos e areia solta. Tente manter a moto no rastro dos pneus e deixe a moto escorregar um pouco sem problemas. Não trave o guidão, deixe ele tremer um pouco e só mantenha o controle, dessa manera você passa sem problemas. Se sentir que ela ta escorregando devido a areia, acelere um pouco que ela mesma retorna ao caminho, se freiar nesta condição, provavelmente será chão. No rípio, nunca freia bruscamente com o dianteiro, utilize muito mais a marcha e o freio trazeiro. Indo para Ushuaia, abasteça na cidade de Cerro Castilho, uns 500 metros antes do posto, tem um desvio para Povernir, peque aquele desvio e depois peque para Onaissim e para San Sebastian. O caminho é bem melhor do que o utilizado pelos caminhões. No mais, boa viagem...

Ney Madeira - Capitão - Obrigado amigo...

Bernelio - Obrigado amigo...

Vantuir - Grande Vantuir, ó motociclista que mais conhece todos os cantos da América do Sul... Valeu amigo...

Bigode - O mapa, estou enviando um email de como fazer e colocar em seu blog...

Gustavo - è isso aí amgo, arruma as malas e os alforges e se manda estrada afora. Bariloche é alí bem pertinho, do lado leste dos Andes....

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

CARLOS EM CASA - TUDO BEM.....MAS.......

Cheguei em casa por volta de 1 hora da madruga, duas coisas aconteceram.


Primeiro que acabei por rodar 1203 km, não sei onde errei, resolvi fazer uma pequena mudança de roteiro quando cheguei em Passo Fundo em vez de ir para Erechim como dizia a planilha, resolvi seguir pelo caminho inverso ao que fomos e peguei pra Vacaria, até imaginei que poderia aumentar um pouco, mas aumentou cerca de 120km.



Mas o pior é que andei 400 km de RÍPIO.

50 km antes de chegar em Lajes comecei a sentir a mesmíssima sensação de andar no rí­pio, parei a moto e o pneu estava vazio, como eu estava parado no meio de lugar nenhum, chovendo e escurecendo, resolvi tocar devagar para ver até onde o pneu ia durar.

Comecei a uns 40 km por hora, mas comecei a sentir confianança e fui aumentando 60, 70, 80, 100 até 120.

Cheguei em Lajes e parei no mesmo posto da ida, e vi que o motivo do esvaziamento é que o pneu se gastou até a lona e começou a vazar por ali.

Comecei a perguntar para o pessoal sobre estadia e até a possibilidade de alugar uma camionete para levar a moto até Curitiba.

So não estava gostando muito da possibilidade de deixar a moto por lá¡ com toda aquela bagagem, entãoo como já havia andado 50 km, resolvi andar mais um pouco pra ver até onde chegava, consegui chegar em casa e o pneu ainda está í­ntegro, com a mesma aparência.

Abs.

Carlos

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

PARABÉNS CARLOS E CRISTINE - 30 ANOS DE CASADOS...

FELICITO O CARLOS E A CRISTINE PELOS 30 ANOS DE CASAMENTO.

PARABÉNS...

ANTONIO EM CASA - FALTA NOTICIAS DO CARLOS....

Saimos perto do meio dia de Santanna do Livramento e fomos juntos até Rosário do Sul. Dali Antonio seguiu para Porto Alegre sentido Florianópolis e Carlos via Passo Fundo sentido Curitiba.

Antonio fez 13.200 kms rodados em 21 dias de muitas emoções e milhares de fotos.

Amanha retorno respondendo os posts.

Vou curtir um pouco a familia.

Abraços...

domingo, 12 de dezembro de 2010

ESTAMOS EM RIVERA - SANTANNA DO LIVRAMENTO....

Acho que estamos levando uma frente fria amarrada nas motos. Pela manha tem muita nuvem, chuva e frio, la pelo meio dia começa a aparecer o sol e vem o calor.
Hoje fizemos 700 kms. Amanha vamos as compras.
Volta para casa e assim mesmo, muita kilometragem e pouca foto.


Abraços a todos..

ESTAMOS EM ROSÁRIO - HOJE 1.200 KMS RODADOS.

Muita estrada, pouca foto. Passamos o dia atravessando o deserto. A partir de Santa Rosa a paisagem muda e vira uma grande fazenda com lavouras de tudo que é tipo. Trigo, soja e girrasol e o que mais tem. Muita maquina agricola andando pela estrada. O vento tem sido nosso, pois temos pego vento a favor desde Punta Arenas a mais de 3.000 kms atras.Hoje na Ruta 3 passamos por uma moto CG 125 carregada indo para USHUAIA, com vento contra. Isso sim que é vontade. Encontramos uma mulher que ira correndo até Ushuaia, tinha policia acompanhando e reporter. Fizemos hoje 1200 kms. Amanhã tem mais estrada.

Tente ligar para casa, mas o Skype estava desligado. Como rodo muito, chego tarde e ligo tarde.

Beijos para a familia.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

ESTAMOS EM SIERRA GRANDE - ARGENTINA,,,

Estamos rumo casa. Saiomos de Piedra Buena com vento a favor e fizemos 1.100 kms hoje. Estamops em sierra Grande, nun hotel que mais parece do Velho Oeste. Na cidade não tem internet, e a unica Lan House é uma porcaria. Amanha tem muito mais estrada. Muita estrada, pouca foto..

Abraços a todos..

Mel usa o SKYPE d mae o teu ta com problemas...

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

EL CALAFATE - GLACIAL PERITO MORENO

Frio - Hoje fez muito. Pela manha as 7.00 horas estava uns -5 graus. Saimos do hotel e fomos visitar o Glacial Perito Moreno. Pense em andar de moto dentro de um freeze, foi essa a sensação. Na estrada para o Glacial já pegamos neve, e quando entramos no parque, ai a neve veio com tudo mesmo. Caiu muita neve e a temperatura ficou em - 10 graus. Quando mais subiamos o parque em direção ao glacial mais neve caia. O Glacial se mostra imponente, com um paredão que mais de 50 metros de altura e uns 300 de cvomprimenrto. O Glacial desce a montanha dos Andes por mais de 200 kms. Saimos do parque por volta do meio dia e seguimos rumo a cidade de Piedra Nuena, e na estrada pegamos chuva de granizo, e o dia foi assim, com muito frio, neve, chuva de granizo, e não podria faltar o veno, é claro. Agora estamos voltando aos poucos..

FRIO - NEVE - MUITA NEVE

video

FRIO - ESQUECE TUDO O QUE JÁ FALAMOS - HOJE SIM FEZ -10















quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

RESPONDENDO AOS POSTS...

CRISTIANO - Valeu pelos votos de boa viagem de volta....

WILLIAN - O Carlos tirou aquela foto depois que a moto já tava limpinha... Asiim não vale, tinha que ter tirado qua bndo ela tava suja...O lençol ele reservou para a limpesa da volta..

JULIO CESAR E ROSANA - Como já tinha experiência (ruim) com os fardados de Entre Rios, eu evitei passar por lá. O trechio que pegamos da Ruta 14 e longe dos fardados. No restante da Argentina, eles so te param para pedir informações ou ver documentos, não incomodam. Com relação a moto éla esta melhor que a encomenda, andei novamente no rípio a 80 km por hora, sendo a melhor por volta dos 70 por hora. Na chuva sem problemas. A Gasolina, de Comandante Luiz Piedra Buena até Rios Gallegos não tem posto (240 kms) e na cidade de Mont Aymont no Chile não tinha gasolina nos forçando a ir para Punta Arenas, onde passamos a noite, onde a intenção era dormir em Puerto Natales. A partir de Bahia Blanca ou na Carretera Austral, onde tiver posto abasteça, mesmo que ainda tenha gasolina no tanque.

CATHY - Ta arranjando para minha cabeça. AQuando voltar faço um SUSHI para matar a vontade de todo mundo. Beijos do Pai....

LEANDRO DIAS - Não passamos pela Ruta 40, por isso não posso te informar.Como lá tem muito rípio e pouco cuidado, resolvi dar a volta por Rio Gallegos. Se você for com uma BigTrail poderá passar sem problemas.

MATOS - Pode deixar o PRESENTE do FÉ guardado que eu retornarei com certeza. Abraços a vocês.

WAGNERWAN - É isso aí amnigo. Prepara a moto, as malas e se manda. Moto foi feita para viajar. Se você vem de custom, não se esqueça, coloca um protetor de motor, pois o da minha ta todo mastigado, porque o pneu joga muita pedra por baixo da moto. Boa Viagem